Primeira vez a três com minha esposa, meu relato

Página inicial » Contos Eróticos » Primeira vez a três com minha esposa, meu relato

Conto Erótico – Primeira vez a três

Mais um super conto erótico “Primeira vez a três com minha esposa, meu relato” enviado pelo Casal F&N (@divorciado1000).

Tudo começou um dia que ela chegou brava em casa dizendo que um cara passou por ela de moto e deu um tapa na bunda dela e fugiu na hora meu pau ficou duro com aquilo, ate achei estranho, mas não falei nada, concordei fingi que fiquei bravo e só.

À noite na hora fomos pra cama perguntei:

 -Que lado da bunda ele bateu, ela falou este, e na hora bati no mesmo lugar, ela me olhou e perguntou oque foi isso? Não gostou, eu disse, gostei sim, respondeu, mas gostei que foi você e não o outro cara que me bateu na bunda, mas notei que ela sorriu, ai bati de novo dizendo, imagina se ele tivesse batido assim com você só de calcinha, ela riu e disse que eu era louco, bati de novo, e disse que não era eu e sim o outro cara, ela ficou mais de ladinho e deu uma empinada na bunda, continuei dando tapinhas e falando não era seu marido que fazia isso, ela começou a dar uns gemidinhos, e empinar mais, logo em seguida ela mesma puxou a calcinha de lado, a hora que meti notei que já estava toda gozada só com os tapas e com a conversa, meu pau entrou lisinho e em menos de um minuto ela gemeu alto e gozou, nunca vi aquilo, ela disse que gostou da historia e da fantasia.

No dia seguinte perguntei se ela toparia de verdade, ela só sorriu, entendi como sim, falei pra ela escolher alguém, mas ela disse deixa rolar.

 Sempre amigos chegavam em casa e eu já os imaginava comendo ela, pedi pra ela provocar eles pra ver oque dava, ela usava saias minúsculas na frente deles, pagava calcinha, ou colocava aquelas calcinhas estilo short e ficava na cozinha, fazendo as coisas, mas eu notava que meus amigos iam demais ao banheiro, afinal meu banheiro ficava junto à cozinha eles ia só pra ver ela.

Mas se passaram quase seis meses e ela só ficava naquilo, se exibia um pouco às vezes passava rápido pela sala de calcinha e blusinha, o máximo que ela fez um dia foi se deitar de calcinha no quarto e deixar a porta entre aberta, então quando alguém ia ao banheiro via um pouquinho dela seminua, mas era só isso.

Eu já havia desanimado com a ideia.

 Um dia fomos à casa da sogra na cidade vizinha que e bem pequena, saímos à tarde pra andar na cidade a pé mesmo, pois é bem pequena mesmo, e eu não ia perder a oportunidade de exibir minha delicia, blusinha vermelha e uma minissaia preta rodada curtíssima que quando andava dava pra ver a dobrinha do bumbum.

Como disse, eu já tinha desistido de insistir, pois um dia ela ficou brava, na cama na hora de transar ela aceitava fantasiar mas de verdade era coisa de vagabunda, e ela não era, então saímos pra nos excitar com os olhares estranhos.

Andamos um pouquinho e chegamos ao fim da rua que dava pra um pequeno sitio, então minha amada viu mangas no pé, e ela adora manga com sal, e logo pediu pra ir, eu disse que não era uma boa ideia afinal ela estava seminua e se tivesse família ali não ia ser bem recebida pela esposa, mas ela quis arriscar pois adora manga com sal , eita mulher lombriguenta.

Bati palmas e saiu um senhor sem camisa de uns 40 anos já, expliquei oque estava acontecendo e ele nos recebeu e claro, mas já olhando minha esposa com certeza, minha mulher disse que adorava manga com sal, e ele prontamente foi ate a cozinha e pegou uma pequena faca e um pouco de sal, ela se sentou ali mesmo em um toco, e logo sua testa maravilhosa coberta pela calcinha de oncinha ficou a mostra, mesmo que ela não quisesse mostrar não tinha jeito afina a minissaia não era feita pra mulher se sentar era muito curta.

O homem notou aquilo e disfarçou e virou de lado pra não ficar de frente pra ela, mas dava pra notar que ele ficou de pau duro na hora, bom de papo o cidadão, disse que morava só, mas para mim era só um papo, afina não era uma pessoa de boa aparência, corpo um pouco surrado pelo trabalho, mãos bem calejadas,

.

Perguntei se havia algo na cidade a noite afinal era sábado, ele sorriu e disse, aqui a única diversão e comprar bebida e beber em casa, ai respondi:

 -nossa o jeito e dormir cedo então, nessa hora minha senhora nos interrompeu e pediu pra lavar a mão, já fazia quase uma hora que estávamos ali jogando conversa fora, ele mostrou um tanque na área do fundo e ela foi à nossa frente, chegou lá e se inclinou para se lavar e seu rabão com o fio atolado ficou a mostra quase que por inteiro, o homem tentou disfarçar mas não conseguiu, encarou um pouco e logo retomou a conversa.

Perguntou se a gente bebia, eu disse:

-sim, ela também, mas ela só gosta de vinho, ele perguntou se a gente não gostaria de beber com ele pois não tinha nada na cidade mesmo, achei que minha mulher não ia topar mas ela disse que sim, afinal a mãe dela era duro de aturar então era melhor achar algo pra fazer.

Ele falou tem um barzinho aqui perto a três quadras, vou buscar pra gente, fomos nos três.

Voltamos e começamos a beber, ela no vinho, ele falou:

-querem ouvir oque? Eu disse:

-sei lá, ele disse: – então oque você ouve moça, ela respondeu:

 -sertanejo que de pra dançar, ele colocou e perguntou:

 -então vocês dançam? Eu disse:

-eu não só ela, ele falou:

-eu também danço, na hora saquei a intenção dele, e na mesma hora ele perguntou:

-ela pode dançar uma comigo? Eu disse:

-sim, mas ela se recusou,

Depois de uma meia hora, já no três copo de vinho vi que minha mulher estava mais soltinha, remexendo os quadris meio tímida ainda, estava mais solta, ai falei pra ela baixinho:

-você adora dançar, dança uma com ele pra ver se ele e bom, não tem nada de mais e só uma dança, ela ficou relutante, mas ai num impulso eu peguei ela pelo braço e levei ate perto dele e disse:

-ela quer dançar sim só e vergonhosa, confesso que a hora que ele pegou ela pela cintura meu pau subiu, mas sem esperanças pois ela se recusava toda vez que eu tocava no assunto, dançaram dois musicas e ela ficou toda suada, parou um pouco e dobrou a blusinha ate só cobrir seus fartos seios, e voltou a dançar aquilo eu já estava explodindo de tesão, aquela mão grossa dele arranhou as costas dela,

Pedi pra ir ao banheiro, e eles ficaram dançando, mas na volta voltei bem quieto pra ver se acontecia algo, pois comecei a ter esperanças de novo, fiquei observando de um ângulo que não dava pra me ver, vi que eles estavam bem encoxados, a perna dele bem no meio das pernas dela, de repente escorregou a mão na bunda dela e ela se afastou dizendo:

-não, ai fiz barulho pra dizer que estava voltando.

Ela descansou bebeu mais e ficou bem alegre, dançando sozinha, e ele disse: -ela dança muito bem e é bem bonita, agradeci.

Eu disse:

-amor dança com ele aproveita, ela riu e falou:  

-ta bom, dançaram mais, e eu fui ao banheiro de novo e fiz a mesma coisa, observando, ela bem mais solta, ele rodou ela e segurou por trás um pouco, ela se soltou e voltou a posição normal, ele girou de novo e segurou por trás e notei que ela rebolou bastante encostada nele, logo em seguida ele correu a mão na bunda dela e pra meu espanto ela deixou, colocou a mão por baixo da saia, nessa hora eu fiz barulho pra atrapalhar e rapidamente eles voltaram dançar normal.

Vi que ela estava excitada pois seus bicos do peito estavam duros, eu perguntei pra ela:

-oque estava acontecendo? Ela respondeu:

-e hoje, oque você tanto quer, mas tem que ser agora senão eu desisto de novo, perguntei como eu ia fazer, ela disse:

– e só chamar, ele está de pau duro por mim, falou no meu ouvido que está louco de tesão por mim e colocou minha mão no pau dele, aquilo quase gozei na hora,

Então num impulso eu sentei numa cadeira, sentei ela no meu colo de frente pra mim, ergui a sai dela puxei a calcinha de lado e falei:

-amigo, você quer? Ele veio tirou o pau pra fora, ergueu um pouquinho a bunda dela, ela levou a mão pra traz e ajeito o pau na bunda dela, ai ele se afastou e cuspiu no pau, e veio colocando devagar e ela gemia e vinha pra frente e me abraçava forte e ele parava, e tentava de novo, pensei:

-meu deus que pau gigante e esse que ela não está aguentando? Depois de muito tentar ele disse:

-relaxa passou a cabeça, ela respondeu:

-devagar que meu cuzinho vai rasgar, fiquei pasmo, ela deu o cuzinho de cara, ela abraçada comigo sentada no meu colo e nosso novo melhor amigo empurrando  bem devagar, mas ela com uma das mãos segurou ele pra não entrar mais, ela falava no meu ouvido:

-amor ele me rasgou, eu senti.

Ajeitei o cabelo dela pra ele puxar, dividi em duas partes, ele enrolou na mão e puxou pra traz levantando a cabeça dela, pude ver seu rosto e a cara de prazer dela.

Pedi pra ela se levantar ela não quis, ele pegou ela pela cintura e levantou ela, ela deu uma gemida alto e reclamou que foi muito fundo, e disse:

-e grande demais vai devagar, quando estavam em pé, retirei a blusinha e e a saia tudo pela cabeça dela mesmo, e afastei e observei-a em pé só de calcinha com outro engatado nela,

Logo em seguida ele a encostou na parede e disse:

-aguenta que eu vou por tudo, ela disse:

-espera um pouco senão você vai me machucar, deixa que eu faça, pediu a blusinha vermelha dela, colocou na boca, pôs às duas mãos na parede, e abriu a perna igual quando a policia vai revistar, e veio afastando a bunda, vi o cuzinho dela engolir tudo, ela tremeu e gemeu bem alto e abafado, saíram lagrimas dos olhos dela, e ela disse meio abafado:

-me fode com for força, cada enfiada dele, era um grito abafado dela, mas conforme ele foi fodendo os gritos foram dando lugar aos gemidos, e ela cuspiu a blusinha e só gemia mordendo os lábios, a dor tinha virado prazer, cheguei próximo e passei a mão na sua bucetinha e acredite, estava toda melada, ela estava se gozando fazendo anal, foi à cena mais excitante que vi,

Passou um pouco e ela disse:

– vai com tudo a sua força, ele segurou pela cintura e meteu sem do que o barulho fazia eco ate, ela pôs a mão na buceta e gemeu bem alto e falou:

-gozei, tira de mim, ele:

-não isso me deixou mais louco aguenta que vou gozar também, logo em seguida deu um urro e gozou no cuzinho dela, ele a abraçou de frente e perguntou se podia beija-la, falei:

-ela que sabe, não precisa me perguntar, ela pode fazer oque quiser, ela disse que sim balançando a cabeça, ele foi beijar, ela disse:

-espere, tirou a calcinha que ainda vestia e jogou em mim, ele puxou ela bem pra perto e se beijaram suavemente, ai percebi que o pau dele estava duro ainda e no meio das pernas dela, era grande pois atravessava o meio das pernas dela, ai entendi porque tanto sofrimento pra aguentar, ele pediu pra ela chupar ela disse não porque estava nojento e sujo, e não ia chupar, pediu uma cerveja coisa que não fazia pois estava com muita sede, dei a minha com quase meia latinha, ela virou, ele disse:

-vou tomar um banho rápido depois sua esposa vai, ela se vestiu sem calcinha e se agachou do meu lado, já estava visivelmente bêbada, começou a me beijar, disse pra mim no meu ouvido:

-você gostou do que viu? Gostou de ver sua esposa sofrer? Você sabe que ele me rasgou né? Este bem dolorido, você vai ter que cuidar da sua esposa arrombada por outro, passa a mão…. Vê quantos dedos cabem agora, passei a mão, estava ate aberto devido à posição que ela estava, estava enlanguescida, ficava piscando, disse que ardia um pouco, e sem dificuldades enfiei três dedos no cuzinho dela agora todo largo.

Logo ela disse está escorrendo, pedi pra ver, e a porra dele descia pelas pernas dela, ela toda descabelada suada e vermelha de tanto esforço, mas foi uma coisa rápida, não durou mais que 15 minutos, foi uma super-rapidinha.

Aquilo foi incrível pra mim.

Logo ele veio e disse que ela podia ir, ela foi e falou que ia demorar um pouco, ele:

-sem problemas, ficamos bebendo e conversando naturalmente com se nada tivesse acontecido, como se aquele homem minutos antes não fazia lagrimas escorrerem dos olhos de minha amada de dor e prazer.

Logo ela desliga o chuveiro, ele diz que vai pegar uma toalha pra ela, então ok respondeu, fiquei tomando minha cerveja, mas logo reparei que ele não voltou mais, escutei barulho de tv ligada, chamei por ela, ela disse; vem aqui to na sala e trás o resto do vinho, então fui ciente de que estavam vendo tv na sala, quando chego ela estava debruçada no braço do sofá, toda molhada ainda, de bunda pra cima, mamando no cacete do nosso anfitrião, passei a mão na bucetinha dela toda melada de tesão de novo, pegou o vinho derramou um pouco no caralho do cara de chupava com gosto, ele a virou e começou a chupar ela também num 69, ele por cima então ele fodia a boca dela que engasgava ate, ele falou vou gozar de novo, ela se levantou e se ajoelhou na frente dele e abriu à boca, ele colocou só a cabeça na boca dela e gozou, ela foi ao banheiro de novo e cuspiu tudo, tomou mais vinho e disse que era pra tirar o gosto da boca, ela já trançava as pernas, rindo a toa batendo nas coisas, já tinha misturado às bebidas, mas aquilo despertou a puta interior dela.

Ela me perguntou se eu não ia foder ela também, a peguei pelos cabelos coloquei de quatro no sofá e meti na buceta dela que piscava, parecia que mordia meu pau, ela disse não goza dentro, goza na minha boca o seu eu quero engolir, meti muito com ela, e quando fui gozar ela veio e bebeu todo o meu leite.

Logo em seguida se vestiu, e disse que ia descansar um pouco pra irmos embora, mas calcinha não vestiu pois estava suja de porra da primeira gozada do nosso amigo, ficou sentada no sofá, eu fui pra cozinha, pois nosso bom amigo fez café enquanto eu fodia minha deusa, isso tudo aconteceu no prazo de unas 2 horas no máximo

Tomamos um café, eu e ele, minha rainha estava na sala, passou uns 20 minutos e eu resolvi chama-la para irmos, porem ela dormiu, estava muito bêbada, na verdade nos três estavamos, mas ela não aguentou e dormiu, não acordava só resmungava, pensei:

-fudeu deu não da pra ir, ele disse durmam aqui amanha vocês vão, sofá retrátil, ele puxou e virou uma cama, sentei coloquei a cabeça dela no colo, chamava pra ir ela resmungava, deitou de ladinho o rabão a mostra pois a saia não cobria nada, mas nosso herói já tinha gozado duas vezes nela e não ligou muito, sentou e ficou massageando seus pês e conversando comigo.

Em dado momento, percebi que ele estava de pau duro de novo mas não fez nada afinal ela dormia, então comecei a alisar a bunda dela, e ela deu uma arrebitadinha mesmo dormindo, ele olhou, e viu aqui empinado e aberto pro lado dele, sorriu e disse:

-pena que ela dorme, mas alisar pode falei, conforme a gente passava a mão nela ela reagia abrindo um pouco as pernas mas logo já amolecia e dormia de novo, ele se levantou e começou a esfregar a cabeça do pau na porta da bucetinha dela, ela dava uma enpinadinhas mas logo voltava ao normal, então ele não aguentou e começou a foder ela de novo, só disse pra não gozar dentro dela, então ela bem sonolenta ficou meio de quatro e ele fodeu ela de novo tirei o pau pra ela chupar mas ela começava e logo dormia mesmo sendo enrabada, logo ela se deitou pra frente, ele parou de foder ela eu me levantei ele foi ao quarto pegou travesseiro ajeitamos pra ela que abraçou o travesseiro e ficou meio de lado com a bunda pra cima, nosso colega de pau duro ainda, chegou por trás cuspiu bem na bundinha dela, e acredite entrou tudo no cuzinho dela e ela nem se mexeu, dormia pesado, nem parecia à mulher que gritava por não aguentar tamanha rola, virou ela de ladinho um pouco ai pude ver o tamanho da tora que entrava e saia, às vezes ia fora, e eu via aquele enorme buraco que nem fechava, e logo em seguida engolia toda aquela mandioca preta, ela meio que acordava e levantava a bunda e dizia:

-me fode, meteu ate o pau dele ficar mole, sinceramente não sei se ele gozou no cuzinho dela.

Logo em seguida foi se deitar e disse pra eu ficar a vontade, dormi ali ao lado da minha princesa,

 Ela acordou às cinco e meia da manhã, me chamou baixinho e saímos escondidos, ate a calcinha deixou pra traz, voltamos pra casa sem coragem de olhar um para o outro nem conversa direito conversamos,

A noite ela se banhou botou uma camisola linda, passei a mão nela e ela disse que não, pois estava dolorida, pedi pra ver, ela relutou mas com jeitinho coloquei ela de quatro na cama ergui a camisola, e lá estava aquele cuzinho que antes era lindo e pequeno, estava meio aberto tipo cabia um dedo na abertura, e super. Inchado, peguei uma pomada e passei, mas demoraram umas duas semanas ate voltar ao normal.

Nunca mais voltamos naquele lugar, minha mulher não quis mais.

E assim foi a nossa primeira vez a três.

2 comentarios "Primeira vez a três com minha esposa, meu relato"

  1. Sweets disse:

    Nossa gente que historia 🔥🔥🔥 Adorei !! Rolou outras ??

    1. Casal F&N disse:

      houve mais sim, em breve vou postar todos os relatos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Faça parte da comunidade. Crie sua conta grátis
    Troque mensagens, troque fotos e muitos mais com outros membros.